Pesquisar neste blog

Ocorreu um erro neste gadget

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Site do CLUBE DA ÁRVORE




Acesse www.clubedaarvore.org.br Agora, o Clube da Árvore possui uma nova ferramenta de divulgação de informações e sensibilização ambiental. No site, você encontrará:

- instruções do plantio correto e manutenção de uma árvore (altura mínima, cova, adubação, amarração, podas);

- espécies adequadas para plantio em calçadas;

- as diretrizes que a Lei Municipal de Arborização Urbana nº 4783/96 institui para disciplinar plantio, podas e supressões das árvores em vias públicas;

- página de notícias com destaques da cidade e todo o planeta;

- conhecer um pouco mais sobre a equipe, o trabalho e os projetos do Clube da Árvore;

- visualizar fotos de plantios e projetos executados;

- e enviar-nos sugestões, elogios, críticas e perguntas através do Fale conosco.

O Clube da Árvore quer que Araçatuba seja uma cidade mais Verde, e conhecida pela sua garra em fazer o melhor pelo meio ambiente.




Não deixe de acessar, e de espalhar esta novidade a todos os seus amigos.



Postado Por Marcelo R. F. de Oliveira

MEIO AMBIENTE FAZ PESQUISA DE ARBORIZAÇÃO URBANA




A Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (SMMAS) está concluindo uma pesquisa que apontará o índice de projeção de copas por habitante no perímetro urbano de Araçatuba.

A pesquisa começou no mês de maio e passa pelas últimas etapas, porém, mesmo antes de concluída, o biólogo e chefe de gabinete da SMMAS, José Luis de Carvalho Salles, adianta que Araçatuba apresenta bom índice de arborização. “A cidade está muito bem, em comparação com outros municípios, e mesmo se compararmos área rural com urbana temos bons resultados”, disse o biólogo, explicando que a área urbana ainda possui bom índice de arborização, mesmo sofrendo impactos ambientais há décadas com a presença do homem.

Os primeiros dados da pesquisa apontam que Araçatuba possui, no perímetro urbano, cerca de 250 mil copas. A contagem foi feita através de imagens via satélite e nela foram consideradas apenas as copas. “Como a imagem é de cima, só vemos a copa, então não contamos por árvore, mas sim pelo montante que vemos do alto”, explica.

Essas copas estão localizadas nas calçadas, fundos de quintal, terrenos, parques, entre outros locais, somente dentro da cidade. Deste número (250 mil), 7,5% são de grande porte e o restante de tamanho médio.

Outro fator que levou a este índice de arborização em Araçatuba é que na atual gestão já foram plantadas mais 15 mil mudas. “Entre plantio em áreas específicas e doação de mudas para a população são mais de 15 mil, no período de um ano e meio”, destaca Salles. A preocupação com o meio ambiente faz parte do Programa de Governo do prefeito Cido Sério e é uma das frentes de trabalho mais ativas da Administração. O bom índice é reflexo desta preocupação, que tem como meta eliminar o déficit arbóreo que inicialmente era de 40 mil árvores e está reduzindo com o Programa de Arborização Urbana “Araçatuba mais Verde”.

PESQUISA

A realização da pesquisa, a princípio, tinha o objetivo de levantar dados para os trabalhos da própria Secretaria, que é responsável pela recuperação ambiental junto à sociedade. Porém, os resultados também serão encaminhados para a Secretaria Estadual de Meio Ambiente, de onde deve seguir para os responsáveis pelo programa Município Verde e Azul, que vem despertando nas cidades a iniciativa e preservação ambiental. O resultado final da pesquisa deve sair até o final deste mês, segundo o chefe de gabinete, e vai apontar uma média de quantos metros quadrados de copa existe em Araçatuba por habitante. A Secretaria está otimista e acredita que com os resultados será possível intensificar os trabalhos nas ares que apresentarem menor índice.

MANUALMENTE

Para confirmar o tamanho da copa estimado via satélite, o biólogo mediu manualmente algumas árvores da cidade. Uma delas foi a espécie Sibipiruna, localizada no centro de Araçatuba, rua Torres Homem, altura do número 145. A árvore é muito utilizada para arborização nas grandes cidades, como na capital São Paulo e em Maringá, Paraná. O exemplar utilizado pelo biólogo para confirmar a medida apresentada pelo satélite tem a idade aproximada de 8 a 9 anos. A copa mede aproximadamente 130 metros quadrados e é considerada de grande porte.


PODA

Um dos problemas identificados pela SMMAS durante esta pesquisa é com relação às podas irregulares das árvores. “A população continua podando incorretamente as árvores. Nessa onda de modelar a copa quadrada e outras formas quem sai prejudicado é o próprio munícipe, porque a espécie deixa de exercer a sua verdadeira função, que é captar o gás carbônico através das folhas”, alerta o biólogo. Ele explica que este processo deve ser realizado com o acompanhamento de profissionais capacitados, como técnico e engenheiro agrônomo.

---------------------------------------------------
Secretaria de Comunicação Social – SMCS
Prefeitura Municipal de Araçatuba – PMA
---------------------------------------------------


Postado por Marcelo R. F. de Oliveira


Fotos Arquivo SMCS

terça-feira, 10 de agosto de 2010

CARAVANA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL - MAIS UMA AÇÃO DA SMMAS

O projeto “Caravana de Educação Ambiental” esteve nesta segunda-feira (9) na Escola Municipal de Ensino Básico (EMEB) Joaquim Dibo, no bairro Paraíso. A Caravana foi idealizada pelo biólogo e chefe de gabinete da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (SMMAS), José Luis de Carvalho Sales. A iniciativa contou com apoio das secretarias municipais de Educação e de Saúde. “A Educação acolheu nosso projeto com o maior carinho e, junto com a Saúde, também ensinamos sobre a Dengue e outros temas”, disse o biólogo.


O projeto vem sendo desenvolvido nas escolas desde março deste ano. A Caravana visita as escolas e durante um dia inteiro oferece atividades como teatro de fantoches, teatro corporal, oficina de leitura e reciclagem, pintura no rosto, cinema ambiental, caça ao tesouro ambiental e outras brincadeiras. “Toda a programação é desenvolvida em cima de cinco temas: arborização urbana, respeito à natureza, respeito à água, queimada e reciclagem”, explica Sales, ressaltando que “tudo isso é trabalhado de forma a resgatar o respeito do ser humano pelo meio ambiente”.


O último tema citado pelo biólogo, reciclagem, é tratado com ênfase durante o projeto. Como o público são crianças com idade de até 10 anos, a Caravana ensina com o recurso de cores, o hábito da coleta seletiva. “Nós relacionamos, durante nossas apresentações, as cores da coleta seletiva. As crianças ficam tão envolvidas que saem sabendo o que cada cor representa neste processo e nunca mais esquecem”, disse Sales animado com os resultados que o projeto tem apresentado no comportamento diário dos alunos.



Além da educação ambiental para o dia-a-dia, a Caravana contribui para formação e preparação dos pequenos, que participarão no mês de setembro da Conferência do Meio Ambiente para Crianças

------------------------------------------
Secretaria de Comunicação Social – SMCS
Prefeitura Municipal de Araçatuba – PMA
Adaptado por Marcelo R. F. de Oliveira
------------------------------------------
Fotos de Marcelo R. F. de Oliveira.

SMMAS VAI A REUNIÃO DO COMITÊ DO BAIXO TIETÊ


Representantes da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (SMMAS) participaram da reunião do grupo de trabalho do Comitê da Bacia Hidrográfica do Baixo Tietê, nesta quinta-feira (5), no Quality Resort Araçatuba. O grupo, que vem discutindo há algum tempo sobre a adequação legal das construções à margem da represa do Tietê, contou com a participação de representantes da CESP (Companhia Energética de São Paulo), da Coordenadoria da Biodiversidade dos Recursos Naturais, proprietários dos ranchos e outros convidados. O prefeito Cido Sério e secretário de Meio Ambiente, Jorge Hector Rozas foram representados pelo chefe de gabinete da SMMAS, o biólogo José Luis de Carvalho Sales.

Várias questões foram abordadas pelos membros do grupo e a preocupação com a preservação ambiental prevaleceu entre os presentes. O presidente do Comitê, Celso Torquato Junqueira Franco, lembrou que os animais são os principais prejudicados nos casos de ocupação do homem em locais indevidos. “Nós sabemos que a questão mais complexa dessa ocupação é a fauna e temos que dar um jeito de reverter esta situação”, disse.

O chefe de gabinete explicou que a discussão vem sendo acompanhada há vários anos e a Prefeitura busca ajudar na solução do problema. “A área foi ocupada quando a legislação ambiental ainda não proibia esse tipo de atitude. Agora estamos buscando uma negociação junto à Secretaria do Estado do Meio Ambiente e a União”, disse Sales. Um relatório, que já conta com 46 páginas, está sendo elaborado pelo grupo e será apresentado à Secretaria Estadual de Meio Ambiente na tentativa de chegar a um acordo sobre a situação.

--------------------------------------------------------

Secretaria de Comunicação Social – SMCS
Prefeitura Municipal de Araçatuba – PMA

--------------------------------------------------------
Postado por Marcelo R. F. de Oliveira
Fotos arquivo SMCS

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Carta do Chefe Sioux





Carta escrita pelo cacique Seattle, da tribo Duwamish, do Estado de Washington, ao presidente Franklin Pierce, dos Estados Unidos, em 1855, depois de o governo norte-americano ter dado a entender que desejava adquirir o território da tribo.

-------------------------------------------------------------

O Grande Chefe de Washington mandou dizer que deseja comprar nossa terra. O Grande Chefe assegurou-nos também de sua amizade e sua benevolência. Isto é gentil de sua parte, pois sabemos que ele não necessita da nossa amizade. Porém, vamos pensar em tua oferta, pois sabemos que se não o fizermos o homem branco virá com armas e tomará nossa terra. O Grande Chefe em Washington pode confiar no que o chefe Seattle diz, com a mesma certeza com que os nossos irmãos brancos podem confiar na alteração das estações do ano. Minha palavra é como as estrelas. Elas não empalidecem. Como podes comprar ou vender o céu - o calor da terra? Tal idéia nos é estranha. Nós não somos donos da pureza do ar ou do resplendor da água. Como podes comprá-los de nós? Decidimos apenas sobre o nosso tempo. Toda esta terra é sagrada para o meu povo. Cada uma folha reluzente, todas as praias arenosas, cada véu de neblina nas florestas escuras, cada clareira e todos os insetos a zumbir são sagrados nas tradições e na consciência do meu povo.

Sabemos que o homem branco não compreende o nosso modo de viver. Para ele um torrão de terra é igual a outro. Porque ele é um estranho que vem de noite e rouba da terra tudo quanto necessita. A terra não é sua irmã, mas sim sua inimiga, e depois de exauri-la, ele vai embora. Deixa para trás o túmulo do seu pai, sem remorsos de consciência. Rouba a terra dos seus filhos. Nada respeita. Esquece as sepulturas dos antepassados e os direitos dos filhos. Sua ganância empobrecerá a terra e vai deixar atrás de si os desertos. A vista de tuas cidades é um tormento para os olhos do homem vermelho. Mas talvez isto seja assim por ser o homem vermelho um selvagem que nada compreende.

Não se pode encontrar paz nas cidades do homem branco. Nem um lugar onde se possa ouvir o desabrochar da folhagem na primavera ou o tinir das asas dos insetos. Talvez por ser um selvagem que nada entende, o barulho das cidades é para mim uma afronta contra os ouvidos. E que espécie de vida é aquela em que o homem não pode ouvir a voz do corvo noturno ou a conversa dos sapos no brejo à noite?

Um indígena prefere o suave sussurro do vento sobre o espelho d'água e o próprio cheiro do vento, purificado pela chuva do meio-dia e com aroma de pinho. O ar é precioso para o homem vermelho, porque todos os seres vivos respiram o mesmo ar - animais, árvores, homens. Não parece que o homem branco se importe com o ar que respira. Como um moribundo, ele é insensível ao mau cheiro.

Se eu me decidir a aceitar, imporei uma condição. O homem branco deve tratar os animais como se fossem irmãos. Sou um selvagem e não compreendo que possa ser certo de outra forma. Vi milhares de bisões apodrecendo nas pradarias abandonados pelo homem branco, que os abatia a tiros disparados do trem. Sou um selvagem e não compreendo como um fumegante cavalo de ferro possa ser mais valioso do que um bisão que nós, indígenas, matamos apenas para sustentar a nossa própria vida. O que é o homem sem os animais? Se todos os animais acabassem, os homens morreriam de solidão espiritual, porque tudo quanto acontece aos animais pode afetar os homens. Tudo está relacionado entre si. Tudo quanto fere a terra fere também os filhos da terra.

Os nossos filhos viram seus pais humilhados na derrota. Os nossos guerreiros sucumbem sob o peso da vergonha. E depois da derrota passam o tempo em ócio, e envenenam o corpo com alimentos doces e bebidas ardentes. Não tem grande importância onde passaremos os nossos últimos dias - eles não são muitos. Mas algumas horas, até mesmo uns invernos, e nenhum dos filhos das grandes tribos que viveram nesta terra ou que tem vagueado em pequenos bandos nos bosques, sobrará para chorar sobre os túmulos. Um povo que um dia foi tão poderoso e cheio de confiança como o nosso.

De uma coisa sabemos que o homem branco talvez venha um dia a descobrir: o nosso Deus é o mesmo Deus. Julgas, talvez, que O podes possuir da mesma maneira como desejas possuir a nossa terra. Mas não podes. Ele é Deus da humanidade inteira. E quer o bem igualmente ao homem vermelho como ao branco. A terra é amada por Ele. E causar dano à terra é demonstrar desprezo pelo seu Criador. O homem branco também vai desaparecer, talvez mais depressa do que as outras raças.

Continua poluindo a tua própria cama e hás de morrer uma noite, sufocado nos teus próprios dejetos! Depois de abatido o último bisão e domados todos os cavalos silvestres, quando as matas misteriosas federem à gente - onde ficarão então os sertões? Terão acabado. E as águias? Terão ido embora. Restará dar adeus à andorinhas da torre, à caça do fim da vida e o começo da luta para sobreviver...

Talvez compreenderíamos se conhecêssemos com que sonha o homem branco, se soubéssemos quais esperanças transmite a seus filhos nas longas noites de inverno, quais visões do futuro oferece às suas mentes para que possam formar os desejos para o dia de amanhã. Mas nós somos selvagens. Os sonhos do homem branco são ocultos para nós. E por serem ocultos, temos de escolher o nosso próprio caminho. Se consentirmos, é para garantir as reservas que nos prometeste. Lá talvez possamos viver os nossos últimos dias conforme desejamos.

Depois que o último homem vermelho tiver partido e a sua lembrança não passar da sombra de uma nuvem a pairar acima das pradarias, a alma do meu povo continuará a viver nestas florestas e praias, porque nós as amamos como um recém-nascido ama o bater do coração de sua mãe. Se te vendermos a nossa terra, ama-a como nós a amávamos. Protege-a como nós a protegíamos. Nunca esqueças como era a terra quando dela tomaste posse. E com toda a tua força, o teu poder, e todo o teu coração conserva-a para teus filhos, e ama-a como Deus nos ama a todos. Uma coisa sabemos: o nosso Deus é o mesmo Deus. Esta terra é querida por ele. Nem mesmo o homem branco pode evitar o nosso destino comum.


Quando a última árvore for cortada,
quando o último rio for poluído,
quando o último peixe for pescado,
Aí sim eles verão que dinheiro não se come.


Chefe Sioux

SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE REABILITA TAMANDUÁ


A Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (SMMAS), encaminhou nesta quarta-feira (4), ao Zoológico Municipal de Araçatuba, um tamanduá bandeira que estava sob os cuidados da UNESP. O animal foi encontrado há aproximadamente um mês nas margens de uma rodovia pela Polícia Ambiental. Ele ficou na UNESP, passando por exames e tratamentos específicos.

Segundo o biólogo da SMMAS, José Luis de Carvalho Sales, o tamanduá não poderá retornar ao campo aberto porque não teria condições de viver como antes. “Ele foi reabilitado, ficou um mês sendo tratado por homens e, se voltar à selva, ele associará a figura do homem como fornecedor de alimento e então poderá ser morto por caçadores”, explicou Sales.

O animal foi levado para o Zoológico Municipal “Dr. Flávio de Leite Ribeiro” e é o primeiro tamanduá do local. A população já pode visitar o mamífero no Zoo. O biólogo informou ainda que o tamanduá pesa aproximadamente 30 kg e provavelmente tenha a idade de três anos.


O ANIMAL

O tamanduá-bandeira, urso-formigueiro-gigante ou papa-formigas-gigante (Myrmecophaga tridactyla) é um mamífero xenartro da família dos mirmecofagídeos, encontrado nas Américas Central e do Sul. Ele está ameaçado de extinção. Um tamanduá-bandeira adulto pode atingir 40 kg de peso e um comprimento de 1,80 m, incluindo a cauda. Possui coloração cinza acastanhada, com uma banda preta que se estende do peito até a metade do dorso, cauda comprida e peluda, focinho longo e cilíndrico, pés anteriores com três grandes garras e pés posteriores com cinco garras pequenas. Alimenta-se de formigas e cupins, capturados pela língua comprida e aderente. Também é conhecido pelos nomes de iurumi, jurumim, tamanduá-açu e tamanduá-cavalo.

---------------------------------------------------------------------
Secretaria de Comunicação Social – SMCS
Prefeitura Municipal de Araçatuba – PMA
---------------------------------------------------------------------

Postado por Marcelo Rodrigues Freitas de Oliveira

Imagens arquivo SMMAS

GRUPO DE TRABALHO VISITA ECOPONTO







----------------------------------------------------------------

O grupo de trabalho formado por representantes do Governo de Araçatuba e do curso de Medicina Veterinária da Universidade Estadual Paulista (Unesp) local visitou hoje duas áreas, que estão sendo estruturadas pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (SMMAS), para regularizar o depósito de entulho realizado por carroceiros no município.



Os dois locais, mais conhecidos como “ecopontos”, e que deverão ser inaugurados nas próximas semanas, contam com área de aproximadamente 500 m2 cada um, totalmente cercada, com banheiro e sala de atendimento. Ainda serão construídos bebedouros para os cavalos. O primeiro ecoponto visitado fica no bairro Lago Azul; o segundo, no Jardim Carazza.



Neles, somente carroceiros poderão fazer depósito de materiais, sendo orientados a depositar apenas galhadas e entulhos não contaminados. Isso porque, o material será reaproveitado posteriormente como adubo, no caso das galhadas, e como mistura triturada para obras, no caso do entulho. Com essas medidas o Governo Municipal espera solucionar o problema dos pontos de entulho clandestinos que existem pela cidade.

O Diretor do Hospital Veterinário Francisco Leydson L. Feitosa elogiou a iniciativa do Governo Municipal. “Essa atitude é pioneira na região e merece ser fomentada, pois todos ganham: a natureza, os carroceiros e a comunidade, de forma geral”, comenta. Também participaram da visita sua assistente Tarsila Presser Bastos, o Secretário de Meio Ambiente Jorge Hector Rozas, o Secretário Municipal de Comunicação Social (SMCS) Marcelo Teixeira,o Chefe de Gabinete da SMMAS José Luiz Sales, o Ouvidor da SMMAS Luiz Antônio Boatto, e a servidora Nanci Regina Pinheiro Martinez, também da SMMAS.

Atualmente, o curso de Medicina Veterinária executa o projeto “Carroça e Companhia”, por meio do qual vacina os cavalos e orienta os carroceiros que procuram o Hospital Veterinário a cuidar da saúde dos animais. Agora, a parceria com o Governo Municipal vai permitir que essas ações sejam estendidas, passando a ser executadas nos ecopontos municipais, com a disponibilização de assistência veterinária gratuita aos carroceiros.
---------------------------------------------------------------------

Texto da Secretaria Municipal de Comunicação Social - SMCS
Prefeitura Municipal de Araçatuba - PMA


---------------------------------------------------------------------
Postado por Marcelo Rodrigues Freitas de Oliveira

imagens arquivo SMMAS